GÊNIOS DA QUÍMICA

August Kekulé

A teoria da estrutura básica dos compostos químicos emergiu, com algumas ressalvas, no século XIX. Uma teoria de “tipos” e de radicais apareceu para explicar como as reações químicas vinham a acontecer, mas durante algum tempo não ficou claro se mesmo os compostos mais básicos poderiam ser totalmente analisados. Isso em especial era verdadeiro para os compostos “orgânicos” que, diferente dos metais, se dissipavam quando queimados. A situação foi clarificada, entretanto, a partir de 1858, pelo cientista alemão August Kekulé (1829-1896).

august-kekule
Fonte: Alchetron

Dizem que Kekulé foi o pai da química orgânica, porque, pela explicação que deu sobre o papel central da molécula de carbono nas reações orgânicas, mostrou como essa se combina com outros elementos para formar um número extraordinário de substâncias. Além disso, foi Kekuké que descobriu a estrutura do benzeno , os químicos agora podiam daí visualizar e até certo ponto explicar e predizer as reações químicas. Ao partir dessa possibilidade, de ter as fórmulas estruturais que indicam as mudanças moleculares passo a passo, chegou-se à moderna química orgânica sintética. Veja a figura que representa a estrutura da molécula de benzeno:

Benzeno
Fonte: wikipedia

Na metade do século XIX, já era sabido que alguns átomos, tais como o oxigênio e o carbono,combinavam-se facilmente com outros elementos em proporções definidas. O conceito central de valência surgiu pelo fato de cada tipo de átomo parecer ter um número diferente de “ganchos” para se combinar com outros átomos.  Uma parte de oxigênio se combinava com duas de hidrogênio para fazer a água, por exemplo, e os átomos de carbono, como se sabia, eram particularmente versáteis. Além disso, os químicos haviam desenvolvido a ideia do radical, ou seja, de um grupo estável de átomos que reagem, como um grupo funcional, com outros elementos. Essas ideias potentes e sugestivas ficavam enfraquecidas,entretanto, pelas teorias dos “tipos”, que restringiam o número de combinações químicas possíveis e, principalmente, impediam o conhecimento detalhado de suas estruturas verdadeiras.

As histórias contadas pelo próprio Kekulé sobre suas descobertas mais importantes são interessantes e divertidas, mesmo que não sejam completas. Sua percepção súbita sobre a importância central dos átomos de carbono aconteceu numa noite de verão, por volta de 1855 —contou mais tarde —, enquanto viajava no andar superior de um ônibus londrino, “através das ruas desertas da metrópole”. Cochilando, viu átomos de carbono girando — “dando pulos” — e formando então cadeias em sua mente.

A influência de August foi difundida, em grande parte, por seu livro sobre química orgânica,cujo primeiro volume foi publicado em 1859; eventualmente chegou a três volumes, com mais de duas mil páginas, mas nunca foi completado. Além disso, Kekulé queria que a química desenvolvesse uma “nomenclatura sistemática e racional”, um fator crítico na organização do primeiro congresso internacional de química, em Kalrsrue, em 1860. Foi ali que Stanislao Cannizzaro mostrou,convincentemente, a importância das massas atômicas dos elementos, reativando a Teoria Molecular e levando a química a um passo mais perto da tabela periódica que seria apresentada por Dmitri Mendeleev muitos anos mais tarde.

Referências

Simmons, John C. Os 100 maiores cientistas da história. Rio de Janeiro: Bertrand, 2002

Acompanhe mais um gênio da química:

Niels Bohr

2 comentários em “August Kekulé”

  1. Pingback: Justus Liebig

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s